Leve ciência à arte da estratégia

User Rating: 5 / 5

Star ActiveStar ActiveStar ActiveStar ActiveStar Active
 

Profissionais do planejamento estratégico se orgulham do próprio rigor. Em tese, uma estratégia deve ser pautada por números e extensa análise e não se deixar se contaminar por juízos, vieses e opiniões. Quanto maior a planilha, mais confiante fica a organização no processo. Todos esses dados e toda esse análise parecem algo científico e no mundo moderno, científico é sinônimo de bom. Porém gerentes de operações da maioria das empresas têm pavor do ritual anual de planejamento estratégico e acham que ele não produz estratégias novas. Uma reação comum é adotar uma postura anticientífica : romper os grilhões do processamento organizado de cifras e recorrer a enventos fora da empresa ou " jam sessions ", destinadas a promover o raciocínio " fora da caixa ". Um processo desses pode promover ideias radicais, que muito provavelmente não poderão ser convertidas em escolhas estratégicas que norteiem uma ação produtiva. O segredo é reconhecer que o planejamento estratégico convencional não é científico, pois não tem a formulação de hipótese e seu tese com experimentos customizados muito bem formulados. O planejamento estratégico convencional é pautado pelo calendário e tende a se concentrar em problemas, mas é preciso definir duas opções mutuamente excludentes que possam resolver o problema em questão. Ao formular o problema como uma escolha ( lembrando que uma escolha tem consequência ), o foco de sua análise e de suas emoções estará no que é preciso fazer a seguir, não em descrever ou analisar o desafio. Já ciente de que é preciso fazer uma escolha, é hora de examinar todo o leque de possibilidades a serem consideradas. Formular possibilidades estratégicas novas, é o supremo ato criativo em uma empresa. Ninguém na indústria da beleza teria imaginado que a P&G pudesse reinventar o Olay que passaria a ser uma linha nobre, vendida em canais populares e partir para o embate direto com marcas de grande prestígio como: l'Oreal, Clarins e La Prairie. E deu mais certo do que o esperado. Para gerar opções criativas, é preciso ter uma ideia clara daquilo que constitui uma possibilidade e ter uma equipe criativa, porém aterrada. Carcterizar possibilidades como histórias que não exigem prova, ajuda todos a discutir o que poderia ser viável. As equipes devem especificar em detalhe a vantagem que visam atingir ou alavancar o escopo no qual, a vantagem se aplica e as atividades garantiriam a vantagem almejada. Sem isso é impossível esmiuçar a lógica por trás de uma possibilidade e colocá-la a prova. Descobrimos que a P&G formulou 5 possibilidades: Deixar tudo como estava, abandonar o Oil of Olay e comprar uma grande marca global de cremes faciais, manter o posicionamento como marca popular e barata e explorar recursos na P&G para melhorar seu desempenho, levar a Oil of Olay a canais de distribuição nobres como uma marca sofisticada, reinventar totalmente a Olay transformando-a em uma marca de prestígio que atraísse um público amplo e jovem, mas fosse vendida em canais tradicionais de varejo com uma seção só para ela ( a vencedora ) e a última era lançar cremes com a marca Cover Girls.

Seguiram então com sete passos para a definir a estratégia e poder determinar qual teria mais chance de triunfar:

1 - Formular escolhas: converta o problema em pelo menos 2 alternativas mutuamente excludentes que possam resolvê-lo;

2 - Gerar possibilidades: imagine outras saídas de modo a garantir um leque abrangente de possibilidades;

3 - Especificar condições: Descreva que condições devam ser cumpridas para que cada possibilidade seja válida;

4 - Identificar barreiras: determine quais dessas condições têm menos chance de se cumprir;

5 - Projetar testes: Para cada condição que constituir um obstáculo, formule um teste que julgue válido e suficiente para gerar comprometimento;

6 - Conduzir o teste: Coloque à prova primeiro as condições que têm menos chance de se sustentar;

7 - Fazer a escolha: analise as principais condições à luz dos resultados dos testes para chegar a uma decisão.

Uma vez escolhido, o pessoal que vai gerar possibilidades deve assumir compromisso de separar o primeiro passo e então todos devem seguir os demais passos.

A maioria dos gestores se sai melhor na defesa do próprio ponto de vista do que na investigação, sobretudo quando esta envolve a opinião dos outros. A abordagem baseada em possibilidades explora e promove a capacidade da equipe de investigar e num processo científico deve haver uma genuína investigação. Ao Fechar o foco da equipe na idenficação de condições e testes críticos, a abordagem baseada em possibilidades obriga gestores a parar de perguntar "Qual a resposta certa?" e sim indagar "Quais as perguntas certas?"

Fonte: Harvard Business Review Brasil

Finance365 Partner Family

Finance365 brings to the market a new mindset on Governance and Business Management. Our goal is to present to clients how to increase their profits through good practices in Corporate Governance, with sustainable growth.

Specialized Service

Miramar, Flórida, USA

Alphaville - Barueri

Email: contato@finance365.net.br

Fax: +55 11 2680-5094

Webistewww.finance365.net.br

Depositions


"We were positively surprised by the quality of the answers, it's worth it!"
Cleber Oliveira - Advanced Consultores
"Leave your comments on the use of our application."
Administração - Gestão Canal da Governança
"Governance is supporting us to see the business otherwise, more rational and objective."
Moacir F Teixeira - ECOAGRO